encontro, paquera, namoro

cadastro login

menu
1515000, 28 anos, namoro online
Carrinhos, 29 anos, relacionamento casual
Morena chiesa, 39 anos, solteiro
Willianf, 28 anos, tinder
---, 34 anos, gay
Markim.vinicius3, 30 anos, bisexual
Mary love, 31 anos, Amores Possíveis
Cantor, 42 anos, relacionamento casual
291242, 31 anos, lesbica
Salles, 22 anos, casamento
andreiavivian123, 45 anos, tinder
peterson41951404, 20 anos, tinder
Carinhosa, 41 anos, solteiro
Rafael-RJ, 30 anos, casamento
Maah150, 42 anos, site de namoro brasileiro
Jhoseph, 19 anos, casamento
---, 37 anos, site de namoro
lucas, 25 anos, site de relacionamento gratuito
Nanialves, 52 anos, casamento
Risone, 28 anos, dia dos namorados
---, 64 anos, namoro online gratuito
jefte scott kene, 22 anos, arrumar uma namorada
Deia75, 41 anos, paquerar
J1970, 47 anos, novo namorado
---, 32 anos, relacionamento casual
---, 33 anos, solteiro
Nana1905, 35 anos, azaração
93209322, 21 anos, solteiro
Esperança, 41 anos, namoro online
pedro4, 24 anos, bisexual
---, 33 anos, pof com
Erick, 46 anos, namoro online gratuito
---, 34 anos, pof com
Fumaca, 41 anos, match com
tsmotta, 41 anos, alma gemea
Lelesafado2017, 36 anos, casamento
LHU, 42 anos, site de namoro brasileiro
MaicomTocha, 29 anos, solteiro
Mara S, 49 anos, site de relacionamento
Gaúcho Solteiro, 37 anos, lesbica
Lidi, 38 anos, namoro online
guiop01, 25 anos, match com
Dami, 54 anos, dia dos namorados
Brenny, 18 anos, novo namorado
Cilene, 31 anos, namoro serio
Jhonny, 34 anos, gay
Loi, 44 anos, dia dos namorados
Pablo, 37 anos, lesbica
VanessaS.R., 36 anos, gay
Lanza, 44 anos, relacionamento casual
Nandapodeservc, 46 anos, bisexual
Luisinho, 21 anos, video chat
Scheilla, 39 anos, site de relacionamento gratuito
Ziel, 33 anos, par perfeito
311991, 52 anos, site de relacionamento
Leo, 30 anos, pof com

compartilhe com seus amigos
compartilhe com seus amigos
compartilhe com seus amigos
Precisamos falar sobre o fim

Matéria postada por Éric Elie'l
Data da Matéria 13 comentário(s)


Muito embora eu goste de coisas solares, vira e mexe me pego debatendo com crueza sobre o findar das coisas. Uma amizade que se esvai, por afastamento do caminho ou indiferença, um amor que deixou de ser, um projeto que agonizou antes do início, o fim prematuro, aquele que pouco se entende por que aconteceu, o fim longevo, aquele que chega quando tudo já se viveu e tudo já se fez para que ele não chegasse.

Acontece que há muita dificuldade em dialogar sobre essa coisa tão natural e tão presente. Disse-me certa vez um amigo: – Por que falarmos sobre isso se existem tantas outras coisas boas para abordar?

Acontece que é justamente por nutrirmos esse medo do fim que precisamos falar sobre ele, os debates e pensamentos sobre questões angustiantes descaracterizam os fantasmas que alimentamos e o fim por mais que pareça ruim também tem seu lado bonito. Ele pode, por exemplo, apresentar um universo de novos acontecimentos, um respirar de expectativas e perspectivas, pode ajudar para que aprendamos a reorientar nosso caminho, pode ainda polir o nosso olhar, nos ajudar com a maturidade e nos fazer entender e filtrar o que queremos e o que não queremos na nossa vida.

É por isso que precisamos falar sobre o fim, para perdermos o medo, para educarmos o nosso íntimo sobre a transitoriedade da vida, pois ela é um pacote de coisas e o sofrimento está incluído no movimento da existência.

O fato é que a vida também é um fechar de leques, um despedir-se incessante, um processo de admitir rupturas, de desapego ao que não conseguiremos cumprir, um abrir mão doloroso, mas ao mesmo tempo ela é de uma abundância absurda, pois para cada fim que corajosamente reconhecemos e encaramos apresentam-se outros começos e novas relações até que o fim inquestionável e universal chegue.

Assim, quando entendemos a naturalidade do fim nos tornamos mais fortes, as inseguranças ficam para trás, aprendemos a deixar com que nos deixem, ou que fiquem se quiserem e que sejam como quiserem ser, sem moldes, sem desenhos de relações perfeitas, sem obrigatoriedades e, do mesmo modo, nos permitimos ser como somos.

Precisa-se evitar a morte lenta, o fim que por nos recusarmos a ver acontece aos poucos, precisa-se aprender a virar a mesa quando o trabalho é debilitante, quando o outro nos machuca, sufoca, ou oferece pouco, quando os sonhos que cultivamos se mostram inviáveis, quando o ponto final é irremediável e mesmo assim insistimos porque temos pena do nosso próprio coração partido. O inquestionável da vida é que todos nós em algum momento precisaremos encarar o fim e ele virá menos dolorido se tivermos um plano de contingência.

Fechar portas, apagar as luzes, encerrar ciclos, cortar vínculos, entender que tudo bem, que não será para sempre e que falar sobre essas coisas é não ter medo de se aprofundar na vida é olhar com coragem para o que um dia chegará mesmo que a gente passe a vida embaixo de um coqueiro se recusando a enxergar.

Foi mais ou menos isso que a poetisa Elizabeth Bishop me transmitiu quando li parte de sua poesia: “A arte de perder não é nenhum mistério, tantas coisas contém em si o acidente de perdê-las, que perder não é nada sério.”.

Éric Elie'l , Catarinense, 26 anos, estudante de marketing e apaixonado por tudo que possa tornar a existência mais leve. Observador, gosta de todas as coisas que dizem respeito ao comportamento humano, se interessa por opostos e por dissecar experiências, para extrair não só o que é dito, mas também o que está subentendido. Gosta de avaliar as circunstâncias sob outro ponto de vista, e acredita que escrever é de certa forma materializar o campo de sensações que são as experiências de vida.

6 matérias escritas para o amores possíveis

comentários:


amizade123 - 10/12/2017 23:20:12
Difícil, mas em certas circunstâncias necessário. Adorei!

NANDO - 10/12/2017 04:38:44
BEM PROFUNDO

marcia - 06/12/2017 16:23:43
Muito enriquecedor o texto! Márcia Oliveira

lugarcia17 - 05/12/2017 15:27:24
Amei o texto! Muito lindo!

KarinaRaquel - 05/12/2017 14:33:19
Fim, palavra tao forte porem, as vezes tao necessaria, mesmo que seja desagradavel inicialmente

Morena 31 - 02/12/2017 19:33:32
muito profundo, fiquei encantada!

vitoria - 26/11/2017 07:59:55
Nossa sem palavras

MLopes - 25/11/2017 20:29:18
Suas palavras traduzem os sentimentos... Gostei demais do que li.

Mary2018 - 25/11/2017 20:14:30
Bem profundo e verdadeiro!!

Addison - 22/11/2017 04:23:20
Amável

Tuca - 21/11/2017 19:23:08
Ótimo.

Alexa 45 - 21/11/2017 14:50:01
Adorei, lindo o texto

tania54321 - 16/11/2017 09:37:43
Obrigada. Era exatamente o que eu precisava.



Para enviar um comentário, é necessário cadastrar-se.



15 anos de sucesso

matérias sobre relacionamento
sofrimento, como lidar com ele? (2)
precisamos falar sobre o fim (13)
abra a janela (44)
o intolerável da vida (12)
a vontade sob controle (25)
nascemos para dar certo! (64)
quanto dura uma paixão? (64)
perdoar é recordar com amor (40)
o que merece cada um (30)
amar e gostar (56)
amores possíveis (184)
feliz recomeço! (146)
amor ainda está na moda! (258)
o amor, sentido de nossas vidas (74)
encontrar o amor (273)

mais...
contato
publicidade
termos de uso
mapa do site

compartilhe
compartilhe com seus amigos
compartilhe com seus amigos
compartilhe com seus amigos



© 2002-2017 amores possíveis.
Todos os direitos reservados - v6.0